Introdução

A linha que se tornou referência no Brasil em questão de custo x benefício hoje já não é tão popular assim. A primeira geração da linha Moto foi um sucesso por conta de seu preço competitivo e boas especificações, mas a câmera desastrosa do dispositivo marcou negativamente a linha Moto G enquanto a Motorola estava no comando. Agora, nas mãos da Lenovo, a quarta geração Moto G surge com uma nova variante: Moto G4 Plus.

Anunciado em maio de 2016, o aparelho chegou ao mercado brasileiro com um preço acima do esperado, mas com funções interessantes para um smartphone de nível intermediário como o leitor de impressões digitais, foco à laser na câmera traseira e também carga rápida para a bateria. Como não podia deixar de ser, a Lenovo renovou o design da linha Moto criando uma mistura entre sua nova identidade visual com a característica da Motorola. O resultado é interessante para a maioria das pessoas.

Sistema operacional  Android 6.0.1
Tela 5.5 polegadas
Resolução Full HD (1920 x 1080)
Tecnologia  IPS LCD
Processador  Qualcomm Snapdragon 617
Núcleos e velocidade  Octa-core de até 1.5 GHz
GPU  Adreno 405
Memória RAM  2 GB
Armazenamento  32 GB
Câmera traseira 16 MP (f/2.0)
Câmera frontal 5 MP (f/2.2)
Espessura 7.9 – 9.8 mm
Peso  155g
Bateria  3.000 mAh
O que vem na caixa?

• Moto G4 Plus
• Base de carregamento com tecnologia TurboPower
• Cabo USB com ponta micro USB
• Fones de ouvido básicos da Motorola
• Manuais de instrução
• Duas tampas traseiras

    Nada mais que isso acompanha o Moto G4 Plus em sua caixa. Visto que ele seja um smartphone intermediário, é interessante notar que a Lenovo inclua fones de ouvido junto com o aparelho, coisa rara de se ver ultimamente.

Design e qualidade de construção

Temos aqui um corpo todo feito de plástico com laterais em prata que tenta passar a lembrança de alumínio, mas que não engana. É plástico. A parte frontal do dispositivo é uma tela de vidro protegida pela tecnologia Gorilla Glass 3 da Corning.

Na borda de cima temos a câmera frontal de 5 MP, sensores de proximidade e luminosidade e também um speaker que funciona tanto para atender ligações quanto para ouvir conteúdo multimídia. A tela de 5.5 polegadas ocupa cerca de 71% da superfície frontal do Moto G4 Plus. Na borda inferior temos um microfone para a realização de chamadas e outro diferencial de peso: o leitor biométrico.

Na lateral direita temos um botão texturizado para bloquear e desbloquear o smartphone, que dá uma boa ideia quando você pega o dispositivo no escuro, e temos também os botões para o controle de volume. Na parte de baixo temos apenas o conector micro USB centralizado, enquanto que na parte de cima, também centralizado, encontra-se o conector de 3.5 mm para fones de ouvido.

Um ponto curioso foi a localização do sensor biométrico e fato de ele ser apenas um sensor, não um botão. No começo eu me irritei com o fato de a Lenovo não ter adicionado outro dois botões ao lado do leitor biométrico e ter feito dele um botão home. Mas com o tempo acabei me acostumando a localização do sensor e já não vejo como um problema. Esse, certamente, é um ponto pessoal e que vai variar de pessoa para pessoa.

A tampa traseira tem textura variada conforme a cor. A capinha branca é rígida, lisa e pode ser muito escorregadia, especialmente se você tiver pele oleosa. Já a vermelha me conquistou por passar maior segurança na hora de segurar o aparelho, além de dar um maior destaque para o G4 Plus. Ela trás uma leve lembrança de tecido e graças ao policarbonato que foi trabalhado é muito maleável.

Como a saída de áudio é frontal, na traseira do smartphone temos apenas o logotipo da Motorola (esperamos que na quinta geração da linha Moto seja substituído pelo logo da Lenovo) e o módulo de câmera com flash dual tone e foco à laser.

No geral, é uma qualidade de construção é apenas mediana, nada fora do comum para ganhar destaque, nem abaixo do normal para criticar. Ela é boa, mas apesar disso não vale o preço cobrado. O corpo poderia ser de metal como em vários concorrentes diretos do G4 Plus, mas não foi dessa vez que tivemos um smartphone da linha Moto G feito em alumínio. Quem sabe na próxima.

Hardware

O G4 Plus trás um processador da Qualcomm: o Snapdragon 617, modelo MSM8952. Ele tem CPU de oito núcleos, todos eles de arquitetura Cortex-A53, sendo quatro operando em velocidade de até 1.5 GHz e outros quatro núcleos em até 1.2 GHz. Para multitarefas temos 2 GB de memória RAM, que dão conta do recado muito bem. O aparelho chega com 32 GB de memória interna, mas cerca de 25 GB ficam disponíveis para o consumidor fazer o que quiser. Um bom número, ainda mais levando em conta que você pode adicionar um cartão microSD.

Para os fãs de números e benchmarks, aqui estão algumas informações. Sem nenhum aplicativo instalado (apenas aqueles que já vem de fábrica) e rodando o AnTuTu Benchmark assim que retiramos o dispositivo de sua caixa, temos os seguintes números:

Como já afirmamos, ele é um smartphone intermediário e não devemos esperar nada de extremo dele. No quesito de usabilidade diária, o G4 Plus não vai te deixar na mão. Se você busca os melhores gráficos e a maior fluidez em um smartphone, certamente você não deve comprar este. Não que ele trave toda hora ou apresente lentidão, muito pelo contrário! O aparelho não apresentou problema algum enquanto eu o utilizei durante duas semanas.

A questão é que para usuários mais exigentes, que jogam dezenas de títulos pesados, este não é o aparelho certo. O que você deve procurar é um smartphone com um processador Snapdragon 650 ou mais poderoso, da linha 810/820. Mas se você joga títulos casuais e alguns outros que exigem mais do hardware como Asphalt 8, Smash Hit e Mortal Kombat X (sabendo que pode sofrer algum tipo de delay ou consumo excessivo de bateria), então continue lendo a análise, provavelmente este pode ser seu próximo smartphone.

Software

Temos aqui um smartphone rodando o Android 6.0.1 Marshmallow de fábrica com pouquíssimas customizações por parte da Lenovo. Isso foi, obviamente, herdado dos anos que a Motorola percebeu que o melhor caminho era o Android Puro e ainda bem que isso se mantém até hoje. Ponto para a fabricante.

As únicas modificações que a Lenovo manteve na linha Moto acrescentou diferenciais realmente úteis, como o girar o smartphone duas vezes para ativar a câmera, agitar o aparelho duas vezes para ascender a lanterna, colocar o celular com a tela para baixo para ativar o modo Não Perturbe, e temos ainda a Moto Tela, que dá uma prévia simples e direta das notificações enquanto o celular ainda estiver bloqueado.

12

Outra modificação simples e muito bem vinda foi a adição de um atalho para excluir todos os aplicativos rodando em segundo plano e também todas as notificações da barra superior.

Como o Android utilizado pela Lenovo possui apenas essas modificações, não temos nada a acrescentar além do que já foi dito. O sistema operacional puro ainda precisa de alguns refinamentos como modo de utilização em uma mão, que facilitaria muito a usabilidade em telas grandes como a do G4 Plus, mas no geral o sistema operacional está ok. Por não ter diferenciais realmente de peso no sistema, não damos notas mais elevadas para o Android puro. Senso assim, já podemos passar para o próximo tópico.

Tela

Com 5.5 polegadas e resolução Full HD (1920 x 1080 pixels) a tela do G4 Plus trás uma ótima qualidade e tamanho para consumo de jogos e vídeos, com uma densidade de 401 pixels por polegada, mas graças ao painel IPS LCD, a tela não é tudo aquilo que ela poderia ser.

Não tenho muito a criticar sobre os painéis IPS. Eles possuem boas cores e brilho, mas é só isso. Apenas bom. Quando comparado, por exemplo, com um painel Super AMOLED (Galaxy S6), podemos ver a gigantesca diferença de qualidade. Claro que estamos falando de um smartphone intermediário contra um dos melhores topos de linha de 2015, mas vale a observação: a tela do G4 Plus é boa. Mas poderia ser melhor.

Tela

O brilho mínimo não é tão baixo como eu gostaria que fosse, especialmente quando tudo está escuro e você não quer atrapalhar ninguém. O brilho no máximo também não é alto o suficiente para você enxergar tudo perfeitamente na tela. Você certamente vai precisar fazer sombra na tela para ler algo em luz do sol direta.

Tirando essas duas situações, a tela do G4 Plus vai atender, sim, à grande maioria de pessoas que estão buscando um novo smartphone intermediário. As cores da tela não são de grande destaque, mas também não são ruins o suficiente para chamar de péssimo. Ela é, assim como já dissemos (e iremos dizer) sobre outras características, um ponto médio.

Bateria

Este é outro ponto um pouco acima da média, mas que ganha relevância maior graças ao recurso de carga rápida. O Moto G4 trás uma bateria de 3.000 mAh, e ao utilizar o aparelho de forma não muito agressiva, começando o dia às 8 horas da manhã ouvindo música, utilizando o brilho de tela no médio, jogando alguns poucos jogos durante o dia, tirando fotos de vez em quando e assistindo a alguns vídeos no YouTube, ele pode chegar ao meio da tarde (por volta das 14 horas) com em 40% de bateria. Isso levando em conta que o Wi-Fi esteja sempre ligado. Nada de consumir plano de dados aqui.

Já utilizando a câmera em excesso, jogando títulos mais pesados como Asphalt 8, Smash Hit e Pokémon GO, com GPS, Wi-Fi e redes móveis (4G) sempre ligados, não espere mais de quatro horas de autonomia de bateria.

Se por outro lado você utiliza o smartphone mais para acessar rede sociais, tirar fotos aqui e ali e jogar alguns títulos casuais, certamente você vai conseguir chegar ao fim do dia com carga sobrando.

Um ponto muito positivo que o Moto G4 Plus possui é o recurso de carga rápida, nomeado pela Lenovo como TurboPower. O que ele faz é carregar mais rapidamente a bateria quando a carga está baixa. Entre 0 e 20% a velocidade de carregamento é maior. Conforme vai carregando, a velocidade é reduzida para preservar a bateria e evitar problemas sérios.

Resumindo: a bateria do G4 é um pouco acima da média, ela vai conseguir suportar a maioria dos usuários comuns, e graças ao TurboPower, ela vira um destaque muito atraente.

Multimídia

Como já informamos anteriormente, o tamanho de tela do Moto G4 Play é excelente para consumo multimídia. As 5.5 polegadas deixam o filme, vídeo ou jogo em evidência e possibilita enxergar muito mais detalhes que em telas menores. A tecnologia da tela, como também já falamos, não é a melhor do mercado, mais ainda assim, para um smartphone intermediário, dá pro gasto.

6

O auto falante do aparelho já ganha pontos positivos por ser frontal, o que deixa muito difícil de abafá-lo utilizando as mãos. Outro ponto muito positivo é que ele direciona o som diretamente para o espectador, oferecendo uma imersão muito mais completa.

A qualidade sonora do speaker é muito boa. O som geralmente apresenta bons graves, e os agudos também são muito bem configurados. Entretanto, em volumes mais elevados o alto falante pode distorcer certas notas.

Câmeras

Temos aqui outro grande destaque para um smartphone intermediário. São 16 MP de resolução na câmera traseira com flash LED dual tone e foco à laser extremamente rápido. A estabilização de vídeo é ótima, mesmo que feita via software, não nas lentes. O resultado final lembra bastaste o padrão da Apple e é realmente impressionante.

A câmera frontal é de 5 MP e possui uma lente grande angular de 82 graus. Ela é boa, mas em ambientes noturnos você provavelmente vai sofrer tentando tirar uma foto decente. Para isso a Lenovo disponibiliza em seu software de câmera o flash display que acende a tela no momento que tirar o selfie e melhora bastante o resultado final.

A qualidade das fotografias em geral são boas, mas geralmente possuem alguma granulação. As cores são vívidas e muito bem apuradas quando em boas condições de iluminação, mas no geral elas sempre vão apresentar cores mais quentes do que a realidade. A velocidade de disparo é ágil e prática graças ao foco à laser, mas também necessita de iluminação decente para que as fotografias tenham qualidade. Quando em baixa iluminação, as cores ficam menos precisas e mais lavadas.

No geral você não vai sofrer com a câmera do G4 Plus. É uma das melhores câmeras de smartphones, isso não resta dúvida. Tanto para gravação de vídeo quanto para fotografia. E levando em consideração o mercado para que o smartphone é voltado, temos aqui provavelmente a melhor câmera de um celular intermediário.

1 2 3 4 5 6 7 8

Conclusão

Temos aqui um smartphone intermediário com diferenciais muito interessantes. O leitor biométrico agiliza o desbloqueio do G4 Plus, funcionando mesmo com a tela apagada e sendo muito ágil para um aparelho da categoria. Basta tocar e pronto. Desbloqueado.

O auto falante também é um ponto que vale a pena ser comentado. O áudio é muito bom e a caixa frontal direciona o som diretamente para quem estiver utilizando o aparelho. Que isso não mude nas próximas gerações do Moto G.

Outro diferencial de peso é a câmera traseira com seu foco à laser e abertura f/2.0. O disparo é rápido, assim como a realização do foco. Os vídeos contam com estabilização de vídeo excelente e, no geral, cores vívidas quando em boas condições de iluminação. Já em ambientes mais escuros ou a noite, fotos e vídeos serão registrados com muita granulação e com cores lavadas.

A tecnologia TurboPower oferece bons resultados, mas ainda não é tão nítida a diferença de carga rápida como pode ser encontrado no Galaxy S7, por exemplo. Mas é melhor do que não ter.

A tela é muito mediana, sem grandes destaques, cores ok e com brilho mínimo muito alto e brilho máximo muito baixo. Para a faixa de preço, poderia ser melhor.

Outro ponto em que a Lenovo poderia ajustar é a construção do aparelho. Muitas fabricantes já estão dispensando a utilização do plástico e adotando o metal na maioria de seus smartphones intermediários. Outras até mesmo vidro na parte traseira. Isso é um ponto a menos para o Moto G4 Plus, que seria muito mais elegante se tivesse um corpo de alumínio.

Topo

Com preço sugerido pela Lenovo de R$ 1.499, o G4 Plus pode ser encontrado por quase R$ 200 mais barato em algumas lojas de varejo online, na época desta análise (09 de setembro de 2016).

Levando em conta alguns competidores diretos do G4 Plus como o Moto X Play, que custa quase o mesmo e tem praticamente as mesmas especificações (o X Play usa Snapdragon 615) mas tem uma bateria muito melhor, ou o Galaxy A5 2016 que possui uma tela com tecnologia Super AMOLED e acabamento mais refinado, o G4 Plus tem muitos diferenciais para ser seu próximo smartphone. Vai depender das suas prioridades.

Quer um smartphone com leitor biométrico e câmera excelente? Vai de Moto G4 Plus.

Quer uma bateria mais duradoura? Pesquise mais sobre o Moto X Play.

Prefere um celular com acabamento premium? O Galaxy A5 2016 pode ser a melhor opção.

Nenhum desses três smartphones vão te deixar na mão, lembrando que todos eles são intermediários e possuem vantagens e desvantagens. A decisão agora é sua. Boa compra!

Moto G4 Plus
CâmeraLeitor biométricoSpeaker frontalTurboPower
Acabamento poderia ser melhor
7.4Intermediário
Design e construção6.5
Hardware7
Software8
Tela7
Bateria7.5
Multimídia8
Câmeras8
Custo x Benefício7.5